3 de novembro de 2006

Galeria Zé dos Bois


Vale a pena estar atento às propostas deste espaço alternativo...

ESTREIA DIA 25 DE OUTUBRO_ZDB ARTES PERFORMATIVAS DA FELICIDADE co.produção TRUTA ass. Cultural ZDB

Uma co-criação de Joaquim Horta, Cláudia Gaiolas, Tónan Quito, Raul Oliveira, Ruben Soares e Rui Guilherme Lopes25 de Outubro a 4 de Novembro4ª a Sábado_21h30_Galeria Zé dos Boissessões extra: sexta e sábado dias 3 e 4 de Novembro às 00:30

És feliz? Foi com esta pergunta que começámos todos os dias, para perceber que, sim e não. E depois desta, outras. Ser feliz é moral ou é banal? Evitamos os discursos sobre a felicidade porque vivemos no pós-Auschwitz? Ou por modo de sermos demasiado pop? A arte faz-nos feliz? Mas o que é isso da felicidade? Que receitas, que prendas, que humor, que amor, que religião, que paixão, como fazer feliz.

Qualquer pessoa em qualquer lugar pode ser. Ser feliz é só rir ou sorrir? Prazer, alegria, felicidade, então como é que vai ser? A responsabilidade é inteiramente sua, é tudo uma ilusão, o que é preciso é saúde.

Em “DA FELICIDADE” prosseguimos a vontade de voltar a alguns dos conceitos presentes noutros trabalhos como o “RUÍDO” e “TUDO O QUE É SÓLIDO DISSOLVE-SE NO AR”, juntar estas anteriores experiências e tentar ir um pouco mais longe. Tal como nestes anteriores projectos é nosso desejo criar um processo dialéctico onde não será o texto a condicionar todo o resto, mas sim o diálogo que se estabelece entre espaço, actores e texto.

Será a felicidade uma revolução? Ou o objectivo da revolução? O que é que tem de político e de que maneira é actual questionar a sua existência? É necessário revolucionar? Ou nada disto tem sentido e afinal somos felizes assim: “Provámos o nosso valor em campo e saímos de cabeça erguida.” Será a felicidade uma futilidade? Ou uma esperança? Procuramos ser felizes porque fugimos simplesmente da infelicidade – em que pontos de tocam ou se compensam? Será a felicidade ou a sua busca a solução para os males de amor, ou para os males da competição desenfreada no emprego, ou para afirmação social dos flashes cor-de-rosa, ou é o Santo Graal dos nossos dias?

Galeria Zé dos BoisRua da Barroca, nº 59. Entrada: 7,50 €. Reservas: Tel: 21 343 02 05 ou célia@zedosbois.org www.zedosbois.org+ info Truta: 965845083 associaçãoculturaltruta@oniduo.pt

1 comentário:

Patricia disse...

Vou assistir já este fim de semana!=)

www.joaquimhorta.page.vu