21 de maio de 2008

Qual papel dos avisos na protecção do utilizador?

Tal como falámos, no “post” anterior, os avisos só devem ser colocados nos produtos/ambientes se nenhuma outra estratégia for suficiente para eliminar o risco para o utilizador, ou, se, mesmo assim, se achar por bem reforçar alguma mensagem.

O papel principal dos avisos é, sobretudo, o de informar o utilizador sobre os perigos e riscos que ele irá encontrar naquela determinada situação e/ou associado ao uso daquele produto. Para além desta função básica, os avisos também têm outros propósitos como, quebrar rotinas e automatismos, chamar e manter a atenção do utilizador e tentar impedir os acidentes, lesões ou danos materiais.

Para alcançar todos os propósitos mencionados, os avisos, podem assumir diferentes formas. Assim, encontramos avisos que são sinais, rótulos, etiquetas, manuais de instruções, folhetos, vídeos, entre muitos outros. Na verdade, dificilmente conseguiremos evitar esbarrar com eles, pois estão, literalmente, por todo o lado. Em virtude desta amplitude de propósitos e de aplicações, o papel dos avisos é muito mais importante que a maioria pensa. Mas, infelizmente é, no meu entender, uma área do design de comunicação que tem sido muito descurada pelos designers. Este abandono dá azo a que surjam avisos completamente errados, mal concebidos e até anedóticos.

Só que, o uso descuidado dos avisos pode revelar-se negativo para quem procura promover o seu produto/ambiente pois, o utilizador pode ficar com a ideia de que aquele produto/ambiente é demasiado perigoso e rejeitar o seu uso. Para além disso, o excesso de avisos levará à habituação e isso causará uma redução na importância atribuída ao mesmo.

Para penalizar, todos os que negligenciaram os estudos da ergonomia e da usabilidade nos seus produtos, a “Michigan Lawsuit Abuse Watch” promove um concurso chamado “Wacky Warning Label Contest” para “premiar” os rótulos de aviso mais estrambólicos.

De seguida mostramos alguns dos “notáveis” distinguidos com este galardão, este ano.



Primeiro prémio: aviso aplicado num pequeno tractor: “Danger! Avoid Death”.



Segundo classificado: uma estampa para aplicação em t-shirts: “Do not iron while wearing shirt”.



Terceiro classificado: um carrinho para transporte de crianças, usado em grandes superfícies comerciais: “Do not put child in bag”.



Menção honrosa: um abre-cartas: “Caution: Safety goggles recommended”.



Menção honrosa: um marcador de tinta invisível: “The vanishing fabric marker should not be used as a writing instrument for signing checks or any legal documents”.


Adorei a ideia deste concurso.

Vou pensar seriamente em organizar uma competição deste tipo em Portugal!...

O que acham?
.

2 comentários:

Pedro Ferreira disse...

Acho que era boa ideia!! Ia ser cada pérola! Já agora, bom trabalho neste blog, eu sou estudante de design de produto e tenho visto aqui coisas interessantes, além da divulgação de concursos ;)

Robert Vandenbego disse...

Hola! un post muy interesante.La ergonomíá en el diseño es fundamental, desde el diseño de un automovil a una simple silla.Me ha gustado tu blog. Te sigo.
Un saludo

Robert Vandenbego
Madrid, Spain
www.begomad3.blogspot.com