10 de dezembro de 2008

O que não me dizes tu?...

Senti-me enganada quando abri a embalagem de "SojaMimosa" e, em vez de leite de soja, provei o gosto do leite de vaca!...


Induzida pelo nome "Soja..etc...", que surge em grande destaque e pela localização da embalagem, junto ao leite de soja e não junto ao leite de vaca, eu comprei este produto convencida que estava a comprar outra coisa.

Podia ter desconfiado ao ver a marca Mimosa, conhecida pelo leite de vaca, a vender leite de soja. Podia, mas não o fiz. Para mim era natural a marca querer entrar nesse ramo concorrente. Para além do mais, isso também não pode servir de desculpa para a má rotulagem pois, eu podia não estar familiarizada com a marca e com os seus produtos.

A verdade é que no momento da decisão estava, obviamente, desatenta e não li todo o conteúdo da embalagem. O que não é raro acontecer, no meio da confusão dos super/hipermercados. Por isso, a culpa é minha, dirão vocês... Eu aceito, em parte! Até nem fui reclamar. Mas, isso não impede que eu me continue a sentir defraudada e que tenha ficado com uma imagem menos boa da marca.

A quantas pessoas já terá acontecido algo idêntico?...
Será a culpa, deste tipo de erros, atribuível apenas aos consumidores?
O que o design pode fazer para evitar este tipo de situações?

> Um dos principais objectivos de uma embalagem é informar o consumidor, com grande clareza, sobre o conteúdo que esconde. As informações importantes e as acessórias não devem estar hierarquizadas todas no mesmo nível de importância. A informação disponibilizada deve ser clara, objectiva e legível.

Neste caso, eu considero que esta rotulagem é bastante ambígua nesse aspecto. Reparem que, na face central da embalagem (principal) não consta uma única palavra ao seu conteúdo?!?!... A menção a que, no interior, se encontra leite (meio-gordo), nunca especificando que é de vaca, está na lateral (ingredientes) e escrito de forma pouco legível.


> Devem ser, ainda, considerados os princípios do design inclusivo, para que seja garantido o acesso/uso à maior gama possível de pessoas. De preferência, incluindo aquelas com algumas necessidades especiais.

A este respeito, a ausência de escrita em braille e/ou a presença de símbolos/pictogramas, ou, outro tipo de ilustração, impede o acesso a todos os invisuais, amblíopes e pessoas que não dominem a língua portuguesa.
Curiosamente, as únicas ilustrações usadas são do aparelho reprodutor feminino (ovários, etc...). Isso tem que ver com os, supostos, benefícios do leite "aditivado" mas, imagino a confusão que possa gerar a quem não saiba decifrar o conteúdo verbal?....

Adicionalmente podemos, também, questionar a opção pelo formato do TetraPack escolhido. Já que, esta embalagem, tem um formato distinto das outras usadas, habitualmente, no leite. Este formato (mais alto e com tampa de rosca) é comum, sobretudo, nos sumos de fruta. Para quem usa o tacto, como única forma de obter informação, esta é uma pista mais importante do que se possa julgar.

Obviamente muito haveria aqui para melhorar...
Por isso, olhos bem abertos antes de meter no cesto!
.

3 comentários:

Joan disse...

Sentiste-te enganada e com todo o direito!
Por curiosidade fui a um site de compras online e verifiquei que este leite está obviamente catalogado como sendo leite de soja. Acho incrível como é que uma embalagem destas sai para o mercado. Bastaria um pequeno teste de usabilidade para perceber que algo estava mal e corrigi-lo a seu tempo. Aposto que há por aí pessoas que o compraram para experimentar o dito leite de soja e acharam curioso ser tão semelhante ao leite de vaca!

pandolet disse...

é uma verdadeira tristeza que as pessoas possam ser enganadas desta maneira. e as pessoas intolerantes á lactose que so bebem leite de soja? ja pensaste em contactar a mimosa e queixar-te deste flagrante erro? (se ja o fizeste gostava de saber o resultado =))

Atom Ant disse...

Não contactei a Mimosa pois a minha mensagem dirige-se, preferencialmente, aos designers e aos estudantes de design com um objectivo, sobretudo, pedagógico...