24 de maio de 2007

Resolução de problemas e criatividade II

Faz hoje uma semana que lancei um pequeno desafio aos leitores deste blog. Com pena minha, até hoje, ninguém quis responder. Talvez considerem desinteressante participar neste tipo de iniciativas, não sei… De qualquer forma, tal como aconteceria em qualquer secção de passatempos da imprensa escrita, vou apresentar a solução ao pequeno desafio apresentado.

Aqui vai…a solução:

Eu, tal como a maioria das pessoas, tentaria resolver este problema procurando encontrar uma forma de me mover na direcção das cordas, para as tentar agarrar e juntar. Contudo, essa tentativa conduz-nos a um beco sem saída pois, é evidente que isso é impossível. Uma alternativa com mais potencial de sucesso mas, aparentemente mais remota, é encontrar uma forma de fazer com que uma das cordas se mova na nossa direcção. Para fazer mover uma das cordas podemos, por exemplo, amarrar um dos pincéis e usá-lo como pêndulo. Por estranho que pareça, no problema, não há indiciações que sugiram que deve ser a pessoa a mover-se, todavia, a maioria das pessoas adopta essa estratégia assumindo que existe uma espécie de restrição. A inclusão desta restrição, injustificada, leva a que o problema pareça insolúvel.

Este é um bom exemplo de como os nossos quadros mentais nos limitam o raciocínio e como estruturamos de forma deficiente os problemas que temos para resolver. Este tipo de problemas, mal estruturados, é designado por problemas de insigth porque, para os resolver, é preciso encontrar uma nova abordagem ou uma nova estrutura mental.

Para quebrar estas molduras invisíveis, que nos restringem o raciocínio, não há nada melhor que praticar novas estratégias... e esse é o grande objectivo deste tipo de "passatempos" ;)

3 comentários:

Raquel disse...

Eu pensei numa solução que nem a vou relatar por ser tão estrambólica. Adorei o desafio, muito curioso!Fico à espera de mais!

Atom Ant disse...

Nenhuma solução deve ser descartada sem, primeiro ser analisada. Ela pode revelar aspectos muito importantes sobre os nossos modelos mentais.

tipografia disse...

atom ant, tem razão... o desafio está aí?!