23 de janeiro de 2008

Parque infantil mesmo… mesmo radical

As fotografias que vos vou mostrar, de seguida, foram tiradas num parque infantil privado, pertencente a um condomínio em Lisboa. A princípio, tudo me pareceu normal nesse espaço e até considerei uma boa ideia terem construído um espaço lúdico para as crianças. Dessa forma, pensava eu, os pais podiam ficar tranquilos enquanto os seus filhos brincavam, supostamente em segurança, dentro da zona vedada do prédio. Isso é verdade, mas apenas em parte. É que, a segurança não diz respeito, unicamente, aos perigos que possam estar no exterior do parque (não confundir "safety" com "security"). Não basta, por isso, colocar vedações para que as crianças estejam em segurança.



Por vezes, os maiores perigos estão mesmo ali, à nossa frente, e nós não os vemos. É o que acontece neste caso. Reparem que aproveitaram um espaço “morto” para construir umas elevações, típicas para uso dos skates. Só que, essas elevações, são ladeadas por um lance de escadas. E, não existe qualquer barreira de protecção/divisão entre ambas.
Já se está mesmo a ver o que pode resultar desta conjugação…



Podemos argumentar que, quem anda de skate é porque gosta de desportos radicais e se sente apto para o fazer. E que, deve fazê-lo com as devidas precauções. Tudo bem, mas, não vos parece um bocadinho excessivo...??? Especialmente se considerarmos que não é uma zona para “skaters” treinados mas, sim, um simples parque de lazer de um prédio de habitação?

A mim parece-me uma zona mesmo, mesmo muito radical.
Eu não me arriscaria a andar de skate, ou patins, por ali... ;-)


O que dirá a legislação Portuguesa sobre isto... e a Câmara Municipal de Lisboa?...


3 comentários:

Tony Hawk disse...

Para quem anda de skate, se calhar até está bem pensado! Muitos deles descem escadas com os skates. Deveriam era colocar um sinal a avisar que é uma zona para skaters de nível avançado, e recomenda-se o uso de capacete! ;)

has disse...

http://www.skatersforpublicskateparks.org/index.html

aqui está alguem que iria gostar da situação que expões. Mas nem todos os miúdos são os ditos "radicais" e podem sim nesta situação sofrerem algum acidente indesejado. Menos mal é o chão no fim das escadas ser de uma material para absorver choques, mas por outro deve ser mais abrasivo do que um chão de cimento. Nota: não se vê o que há para lá das escadas, mas presumo que uma queda com a projecção do skate pelas escadas possa vir a atingir algum miúdo que esteja brincando por aquela zona. E posso afirmar que o skate doí e não é pouco.

se querem um skatepark a sério, tenham um espaço a sério...

Atom Ant disse...

Caro Tony Hawk, esse comentário do sinal é alguma piada ao meu trabalho de investigação?... ;-)

De qualquer forma, os sinais devem sempre ser a última linha de intervenção. Neste caso, muitas outras medidas podem ser implementadas antes dessa...

Eu compreendo que andar de skate implica muita adrenalina mas, a questão aqui é outra. O problema é que este parque não tem, nem as dimensões nem as características, para ser uma zona para skaters de nível avançado.
É uma incongruência juntar baloiços, escorregas, e outros equipamentos infantis, com equipamentos de desportos radicais. Acho eu.
Até porque, como diz Has, os miúdos, que andam nos baloiços, ainda correm o risco de levar com um skate em cima.

Nota: não coloquei imagens da zona baixa do parque porque não queria revelar mais detalhes do prédio, por questões de respeito pela privacidade.