20 de abril de 2007

Para um soninho descansado...

Ás vezes, nas aulas, digo que o mais difícil é conceber soluções para problemas que, aparentemente, são insignificantes ou corriqueiros. Pois, para tais problemas, a criatividade tem que ser muito mais estimulada dado que, as soluções parecem sempre demasiado óbvias para serem estimulantes. Contudo, existirá sempre uma solução extraordinária à espera de ser encontrada. Tudo depende da nossa qualidade como designers!...

Exemplo de uma situação de projecto deste tipo é o produto que apresento neste post. O Lullabub é uma solução inovadora, para embalar os bebés no berço, que já ganhou um prémio de design na Austrália. Consiste em 4 pequenos pés, ou bases para os pés dos berços, que simulam um movimento suave, como a andar ao colo ou a trepidação de um carro, ajudando o bebé a dormir. A qualidade desta solução é reforçada por algumas das suas funcionalidades: o movimento pode ser regulado em 4 categorias diferentes; possui um temporizador; possui controlo remoto; incorpora luz de presença; adapta-se à maioria dos berços e tem suspensão independente.

Neste projecto, existem evidentes questões de engenharia, assim como questões ergonómicas, que requerem conhecimentos que não fazem parte da formação de base de um designer de produtos. Por isso, seria muito difícil conceber um produto destes sem ter uma abordagem multidisciplinar do problema.

3 comentários:

gabriel disse...

de facto por vezes os problemas aparentemente mais simples são os q possuem as soluções mais difíceis... e por vezes o mais difícil é encontrar um 'problema simples', que leve a uma procura 'intensa' e la está, estimulante, deuma solução para algo que mais ninguém viu. todos os dias vejo por aí soluções para problemas que me deixam a pensar...bolas, como é que não pensei antes naquilo? a meu ver, aspirante a designer como sou, é isso uma das características que faz um bom designer. olhar para onde mais ninguém olha, e VER, naum olhar simplesmente. de qualquer forma, vejo neste tipo de projecto o problema q sinto q tenho, enquanto (para já) estudante de design, que é a falta de bases para, depois de até VER 'este' tipo problema, ter capacidade de o resolver duma forma minimamente exequível. mas pronto, já estou a divagar, era só para dizer que gostei muito do blog. sou estudante da esad, em matosinhos, porto!

Atom Ant disse...

Obrigada Gabriel.
Essa capacidade de ver o mundo, pelo prisma do design, resulta da formação e da experiência. Mas,ter consciência desse facto já é um excelente sinal... Poucos são os alunos que aceitam pensar o design desta forma!

A ergonomia pode ser uma ferramenta extraordinária para ajudar a descobrir esses problemas, aparentemente, ocultos e ajudar o designer a encontrar aquela solução!...

Fabs Costa disse...

"A vida é difícil, a vida é complexa, não há respostas fáceis.

Pensar

Pensar é difícil.
Pensar é complexo.

E pensar é - mais do que qualquer outra coisa - um processo, com um percurso ou direcção, um lapso de tempo, e uma série de passos ou estádios, que conduzem a algum tipo de resultado. Pensar bem é um processo laborioso, e muitas vezes doloroso, até nos habituarmos a sermos "ponderados". Visto tratar-se de um processo, o curso ou direcção poderá nem sempre ser claramente definido. Nem todos os passos ou estádios são lineares, nem por outro lado surgem sempre na mesma sequência. Alguns são circulares, e sobrepõem-se a outros. Nem toda a gente procura os mesmos resultados. Tendo tudo isto em consideração, se pretendemos pensar bem, temos de estar em alerta permanente contra o pensamento simplista, na nossa tentativa de analisar questões cruciais e resolver os problemas da vida."

Autor: M.Scott Peck
Livro: O caminho menos percorrido e mais além; crescimento esperitual numa era de ansiedade.
Página: 30
Editora: sinais de fogo
data: 2005

Agora vem a provocaçãozita:

Tinha um amigo que me costumava dizer que as pessoas habitualmente não pensam e quando pensam, não pensam grande coisa.