26 de abril de 2007

Prospect-Refuge Theory

Existe um comportamento natural comum aos animais, sejam eles humanos ou outros, que se define pela dualidade entre ver e permanecer escondido. Comportamento esse, que é essencial para a sobrevivência das criaturas vivas. Esta dualidade comportamental está na base da teoria formulada pelo geólogo Jay Appleton, na obra “Experience of Landscape (1975)”, designada por “Prospect-Refuge Theory. Esta teoria aplica-se à fruição da arte mas, também, aos habitats naturais ou construídos, dando-nos uma outra abordagem sobre a avaliação que fazemos dos ambientes que frequentamos. Para compreendermos melhor a teoria podemos definir o que se entende por “prospect” e por “refuge”. Podemos dizer que, havendo condições para observar o ambiente envolvente, estamos perante uma situação de “prospect”, pelo contrário, sempre que existem condições adequadas para permanecermos escondidos, ou procurarmos refúgio, designamos isso por “refuge”.

Apleton sugere que nós, os humanos modernos, continuamos a avaliar os ambientes em função do grau de satisfação de necessidades biológicas básicas, como ver a presa e ficar escondido dos predadores. Isso quer dizer que preferimos espaços com layouts que tenham os atributos de uma savana, onde o mato oferece uma visão ampla e livre de obstáculos e, também, os atributos da orla da floresta, onde as árvores podem oferecer um refúgio excelente. Ou seja, aqueles que nos permitem ver sem sermos vistos.
Se mantivermos estas analogias em mente podemos, facilmente, encontrar ambientes com tais atributos. Outras pistas importantes, para reforçar a sensação de refúgio ou de exposição, são as superfícies (superfície convexa sugere observação, enquanto que uma côncava sugere refúgio), o pé direito, os vãos, os materiais, as cores e a iluminação. Curiosamente, existem alguns autores que analisam os projectos de Frank Lloyd Wright com este enfoque.

Ao reflectir sobre a “Prospect-Refuge Theory”, comecei a analisar o meu comportamento em ambientes desconhecidos e constatei que também os avalio desta forma. Por exemplo, quando entro num restaurante, a escolha da mesa obedece a estes critérios (nem gosto de me sentar juntos de montras ou de costas para uma porta). Se me sentar numa sala de espera procuro um ponto estratégico de onde veja todas as divisões possíveis e as entradas. Evidentemente que este não é um comportamento obsessivo mas, na verdade, sinto desagrado quando não posso satisfazer este instinto. Afinal, os predadores de hoje são os desconhecidos, que partilham os espaços connosco, são os carros que enchem as nossas ruas, entre outros, que temos que evitar mas mantendo-os sempre debaixo de olho.

Caros designers de ambientes, talvez a vida moderna não seja assim tão diferente, do que era nesses tempos remotos, tal como sugere o lugar comum que afirma que, vivemos numa selva!...

2 comentários:

Fabs Costa disse...

Encantada!...
Que maravilha!

Penso que na comunicação e quando falo de comunicação refiro-me ao design de comunicação visual, e até nas diferentes áreas do design de comunicação visual, também poderiamos situar estes dois tipos de atitudes, o momento de abertura ao outro ou aos outros e ao mundo e o momento de privacidade.

Atom Ant disse...

Sim... faz sentido.
Desconheço se alguém aplicou esta teoria no design de comunicação...